Mesa Completa - Por Solange Souza

Menu

NovidadesVinhos e etc • 29 de novembro de 2016

Volta à tradição

A Argiano, vinícola que tem como consultor o enólogo Alberto Antonini, volta a valorizar a Sangiovese, uva típica da Toscana

Argiano

Depois de seguir a onda de algumas vinícolas na produção dos supertoscanos – vinhos que trazem em seu corte variedades francesas como Cabernet Sauvignon e Merlot – a Argiano volta a valorizar a Sangiovese, uva local que gera vinhos icônicos como o Bunello di Montalcino.

Adquirida pelo BTG Pactual, do banqueiro André Esteves, em 2013,  a Argiano, tem uma história que remonta ao ano de 1850 na região de Montalcino. Desde 2014, a vinícola conta com a consultoria do enólogo italiano Alberto Antonini, muito conhecido pelos profissionais do vinho no Brasil, onde já esteve várias vezes. Antonini, um grande defensor do terroir, tem uma vinícola na região de Chianti, a Poggiotondo, além de ser sócio de um projeto na Argentina, na vinícola Altos las Hormigas (com o chileno Pedro Parra, que também está envolvido no projeto da Argiano), e dá consultorias para muitas vinícolas em todo o mundo.

Ainda vamos ter que esperar um bom tempo para provar os resultados de todas as mudanças que estão sendo feitas na Argiano, como contou o CEO da vinícola, Bernardino Sani, durante um agradável jantar. Entre elas estão a adoção da agricultura orgânica e algumas mudanças no estilo de vinificação. “A empresa está adotando uma nova identidade, de valorização do terroir”, declarou ele.

Na ocasião, provamos três vinhos, entre os quais o Argiano NC Rosso Toscano 2011 (R$ 305) e o Solengo 2008, que não está disponível no Brasil, ambos da fase dos supertoscanos. Meu favorito foi o Argiano Brunello Di Montalcino 2010 (R$ 691), um vinho delicioso. Os vinhos da Argiano são importados pela Portus.

ArgianoBrunelloDiMontalcino

 

 


0 Comentários

Deixe o seu comentário!